Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Até hoje, dia 8 janeiro 2014, como Presidente República, Primeiro Ministro e Ministro das Finanças, Cavaco Silva está no poder há 6908 dias (18 anos e 339 dias). .

Agora temos, ao menos, este auxílio: Um relógio com a contagem decrescente para a libertação final!!

Agradecemos ao CDS-PP ter dado a ideia do relógio com contagem decrescente!

Este contador assume que o mandato de Cavaco terminará a 29 de Fevereiro de 2016 (para nosso azar, 2016 é ano bissexto)


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

 



Livros recomendados Amazon.co.uk (kindle edition)


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D





Falência silenciosa

Sábado, 21.01.12

Se no Google News UK fizermos a pesquisa "Portugal" surge-nos o resultado óbvio dada a relevância da notícia:

Has Portugal's debt default clock begun to tick? (reuters)

 

Portanto, Portugal caminha alegremente para a falência.

Isto apesar de todos os cortes que o Governo tem feito, nos salários, pensões, subvenções a medicamentos, transportes públicos, educação pública e SNS. Caminhamos para a falência apesar da paz social (ou antes cobardia social?).

Caminhamos para a falência apesar da venda da EDP e da nomeação de um brilhante e trabalhador Chairman nessa empresa.

Caminhamos para a falência apesar do aumento de impostos, e da redução dos benefícios fiscais.

Caminhamos para a falência apesar desse fabuloso acordo de concertação social, que facilita despedimentos, reduz indemnizações ou aumenta horas de trabalho.

Caminhamos para a falência apesar desta imprensa silenciosa, que sonega informação sobre a falência iminente. Apesar desta imprensa cooperante, abjecta, que nos vende austeridade, que apoia os empresários que fogem para paraísos fiscais, que coloca o ónus da crise que estamos a passar nos funcionários públicos.

Caminhamos para a falência apesar desta imprensa que criou na figura de José Sócrates a principal cortina de fumo para que o povo não perceba que estes senhores que nos governam em Portugal são meros lacaios dos grandes empresários, alguns dos quais são donos de televisões e jornais, e que aproveitam a crise para que estes se tornem mais ricos em prejuízo da esmagadora maioria dos portugueses.

A falência aproxima-se sem que ninguém, nenhum jornalista, pergunte aos nossos governantes faça a pergunta: "Se tudo isto está a ser feito, e mesmo assim caminhamos para a falência, onde está a falhar a estratégia do Governo?"

Autoria e outros dados (tags, etc)

por sitiocomvistasobreacidade às 11:41








Comentários recentes

  • Joao Saturnino

    Parabéns pelo seu blog, especialmente por este "in...

  • Frango Zappa

    Quanto custa o Mario?

  • E os Homens da Luta, por onde anda essa gente? E a...

  • cheia

    Tantos erros, e nem um culpado!

  • MCN

    O problema é a raqzão porque Afonso Camões não diz...