Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Até hoje, dia 8 janeiro 2014, como Presidente República, Primeiro Ministro e Ministro das Finanças, Cavaco Silva está no poder há 6908 dias (18 anos e 339 dias). .

Agora temos, ao menos, este auxílio: Um relógio com a contagem decrescente para a libertação final!!

Agradecemos ao CDS-PP ter dado a ideia do relógio com contagem decrescente!

Este contador assume que o mandato de Cavaco terminará a 29 de Fevereiro de 2016 (para nosso azar, 2016 é ano bissexto)


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

 



Livros recomendados Amazon.co.uk (kindle edition)


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D





Eliminar o FMI, o hesitante

Domingo, 23.06.13

No início do mês, o FMI ensaiou um tímido mea-culpa, reconhecendo que foram cometidos erros na Grécia.

A partir daí a vida do FMI na Europa não tem sido fácil. O cães de fila da austeridade nacional e europeia exaltaram-se.

Primeiro foi Passos, que disse “esperar” que as três instituições – além do FMI, a Comissão Europeia e o Banco Central Europeu – “tivessem um comportamento de esforço para se colocarem de acordo quanto às questões principais, de modo a evitar esta incerteza e esta desconfiança nos mercados financeiros quanto à forma como os programas estão a ser executados”.

Depois, foi Cavaco que referiu, em Estrasburgo, que seria a altura de reponderar a composição dessa equipa, porque temos uma instituição que é o Fundo Monetário Internacional e temos uma Comissão (Europeia) e um Banco Central Europeu e o que nós sabemos é que os objetivos e as visões do Fundo Monetário Internacional não coincidem com as visões e os objetivos da União.

Por último, foi Barroso que apoiou a ideia apresentada por Cavaco, mas para o futuro.

Hoje, o El Pais noticia que a Troika estará mesmo à beira do fim. O FMI sairá do barco.

 

Os fanáticos na Europa da austeridade, representados pela troika lusa, Barroso-Cavaco-Passos,não suportam os céticos. Não suportam aqueles que perante o gritante falhanço da teoria da Austeridade Expansionista, dão a mão à palmatória e reconhecem alguns erros.

Para os fanáticos, a solução nunca será ver a realidade, nem muito menos mudar de política, mas antes eliminar os hesitantes.

Custe o que custar, a política da austeridade é para manter. Os mercados não podem ser assustados.

 

P.S.: Parabéns ao DN. Este fim de semana foi em cheio. No Sábado, extenso e importante artigo de Krugman, explicando ao detalhe porque falhou a teoria da Austeridade Expansionista. Hoje, com uma interessante entrevista a Noronha de Nascimento, Presidente do Tribunal de Justiça (é raro ter motivos para elogiar a imprensa).

 

 



 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por sitiocomvistasobreacidade às 20:47








Comentários recentes

  • Joao Saturnino

    Parabéns pelo seu blog, especialmente por este "in...

  • Frango Zappa

    Quanto custa o Mario?

  • E os Homens da Luta, por onde anda essa gente? E a...

  • cheia

    Tantos erros, e nem um culpado!

  • MCN

    O problema é a raqzão porque Afonso Camões não diz...