Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Até hoje, dia 8 janeiro 2014, como Presidente República, Primeiro Ministro e Ministro das Finanças, Cavaco Silva está no poder há 6908 dias (18 anos e 339 dias). .

Agora temos, ao menos, este auxílio: Um relógio com a contagem decrescente para a libertação final!!

Agradecemos ao CDS-PP ter dado a ideia do relógio com contagem decrescente!

Este contador assume que o mandato de Cavaco terminará a 29 de Fevereiro de 2016 (para nosso azar, 2016 é ano bissexto)


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

 



Livros recomendados Amazon.co.uk (kindle edition)


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D





Mário Soares ao Expresso

Sábado, 30.07.11

Excelente entrevista de Soares ao Expresso. Vale a pena ler.

Destaco a frase:

Clara Ferreira Alves: "Uma coisa nos distingue dos àrabes de que falou. Temos o que eles não têm. Liberdade"

Mário Soares: "A liberdade está condicionada. Toda a comunicação social está nas mãos da direita. E está condicionada pelo sistema financeiro".

A entrevistadora ignorou e não deu seguimento a esta importante afirmação. Uma pena.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por sitiocomvistasobreacidade às 10:28

A Grândola Vila Morena dos especuladores

Quarta-feira, 27.07.11

Declarações sucessivas do Ministro das Finanças da Alemanha parecem-me cada vez mais uma "Grândola Vila Morena". Hoje foi mais uma: 

Schaüble: É preciso prevenir a saída "incontrolável" de países do euro (act.)

Ministro alemão das Finanças admite que, ultrapassado um determinado limite, deixe de ser possível travar a saída de países do euro. Acredita que a última cimeira, onde foi aprovado um segundo pacote de ajuda à Grécia, reduziu esse risco.

 

Se a canção foi usada como código para que os capitães saíssem dos quartéis para deitar abaixo a ditadura, as palavras de Schaüble soam-me cada vez mais a um código para os ouvidos dos especuladores: "Ataquem, que eu deixo", parece dizer este sinistro Ministro.

 

É-me cada vez mais difícil acreditar que não há uma aliança vampírica entre o Governo da Alemanha (e outros Governos da Europa) com os ditos "mercados" para que alguém ganhe dinheiro, com a compra de títulos de dívida pública a juros usurários ou com as oportunidades de negócios que as privatizações a preço de saldo que o nosso Governo (e de outros países do Sul da Europa) se preparam para fazer.

 

PS - Quem são os "mercados"? É esta a questão que me preenche muitos dos pensamentos sobre esta crise. Gostaria que os nossos media respondessem a esta questão, em vez de dizerem banalidades sobre a crise. Quem são estes agentes que têm nomes esquisitos como hedge funds, e outros funds que compram títulos de dívida?

Há dias, li uma referência à PIMCO, de acordo com a Wikipedia, é o maior mutual fund do mundo (seja lá o que isso quer dizer), que se dedica, entre outras, a esta actividade muito lucrativa de compra de obrigações de dívida pública. Uma curiosidade: A PIMCO é detida pela Allianz, grupo financeiro alemão, sediado em Munique. É sobre estas empresas sem rosto, que lucram biliões que gostaria de saber mais. Que actividades têm? Em que países ganham dinheiro? Que títulos de dívida pública andam a comprar? Que ligações têm ao Governo alemão? Que ligações têm às agências de rating? Que impostos pagam (se é que pagam)?

Eu que deixei de comprar jornais há muito, faço a promessa solene: Comprarei aquele jornal que me responder a alguma destas perguntas (nem que seja "O Diabo")...

Autoria e outros dados (tags, etc)

por sitiocomvistasobreacidade às 18:11

Bem de Luxo

Terça-feira, 26.07.11

Com o Governo PSD / CDS, os transportes públicos passaram a bens de luxo em Portugal.

Passe mensal urbano do Metro em Lisboa vai custar mais 22%

Aumentos na CP chegam a ultrapassar os 20% na Linha de Sintra

Transtejo assume aumento de 15% na maioria dos seus títulos

Recordo-me que em Março, Passos Coelho admitia a criação de um IVA de "luxo". Para ser coerente, fico com a dúvida se não o quererá aplicar aos transportes públicos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por sitiocomvistasobreacidade às 00:24

EDP: Acordo debaixo da mesa?

Sexta-feira, 22.07.11

Cavaco aplaudiu, Passos Coelho também. Estamos todos contentes com os resultados da Cimeira de ontem, mas se calhar ainda haverá quem está mais: 

Governo quer vender EDP a grupo alemão.

A proximidade desta notícia (vamos ver se se confirma) com a cimeira, traz-me esta dúvida? Saberemos tudo sobre o que ontem foi acordado?

 


Autoria e outros dados (tags, etc)

por sitiocomvistasobreacidade às 18:12

Sobre a influência de Murdoch na política global

Quarta-feira, 20.07.11

O escândalo Murdoch teve o mérito de fazer alguma luz sobre a forma como Murdoch estendeu o seu império e o usou para moldar as opiniões públicas no sentido de as tornar mais receptivas a políticas conservadoras / liberais, e para condicionar resultados eleitorais. 

A Associated Press publicou um artigo interessante sobre o assunto, pelo que passo a citar alguns excertos:

 

"Rupert Murdoch is a political kingmaker in Britain and his native Australia. In the United States, he’s best known for promoting conservative opinion through media properties like the Fox News Channel. And in China, he’s primarily a businessman working to give his News Corp. [NWS] empire a toehold in that country’s tightly controlled media market (...)

 

Murdoch began building his power in Britain in the 1980s, when Conservative Prime Minister Margaret Thatcher allowed Murdoch to add The Times and The Sunday Times to his stable of media properties, including The Sun and the News of the World, the tabloid primarily connected to the hacking scandal. Murdoch shuttered the News of the World last week.

 

Murdoch returned Thatcher’s favor, and his papers strongly backed her conservative policies.

Murdoch continued to have relationships with British leaders after Thatcher stepped down. In the 1992 parliamentary elections, when it looked as though Labour Party leader Neil Kinnock might topple Thatcher’s successor, John Major, as prime minister, The Sun published a bold front-page headline: "If Kinnock wins today will the last person to leave Britain please turn out the lights." That headline was credited with helping Major and the Tories to victory.

 

Murdoch eventually switched his allegiance to Tony Blair, the Labour prime minister from 1997-2007. Blair telephoned Murdoch repeatedly before committing British troops to the Iraq war in 2003, which was strongly endorsed by Murdoch’s newspapers across the world.

 

Vale a pena ler o resto, pois ficamos a saber mais sobre a influência de Murdoch nos EUA, Itália e até na China.

 

Capa do Expresso, detido por Balsemão, nas vésperas das eleições presidencias de 2006. Balsemão detém igualmente o canal de TV SIC, cuja licença foi atribuída no Governo de Cavaco Silva

Autoria e outros dados (tags, etc)

por sitiocomvistasobreacidade às 20:25

Importa-se de repetir?

Terça-feira, 19.07.11

Uma frase no comentário que Luís Delgado acabou de fazer (22h48) na SIC-N fez-me soar uns alarmes.

A entrevistadora, Ana Lourenço, perguntou-lhe qualquer coisa sobre as dificuldades acrescidas que os jornalistas sentirão no acesso a fontes de informação, em resultado do caso Murdoch.

A resposta é enigmática, mas nem por isso pouco esclarecedora:

"Muitos daqueles canais, muitos daquelas formas com que nos relacionávamos, no nosso país, com os nossos políticos, com o nosso sistema judicial, em particular, e com os nossos polícias, eventualmente podem vir, durante uns tempos, a ter um aperto ainda maior".

 

Importa-se de repetir, Luís Delgado?

Promiscuidades entre jornalistas e políticos já não me surpreendem, mas com o sistema judicial julgo que é a primeira vez que vejo reconhecidas por um jornalista. Fala exactamente de quem? De juízes e magistrados do Ministério Público? E que polícias são essas? a PJ?

Também acho interessante que Delgado espere apenas que a poeira assente para que tudo fique na mesma.

Uma frase que teria muito, muito que explicar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por sitiocomvistasobreacidade às 23:00

As polícias, os políticos e os media

Terça-feira, 19.07.11

No Reino Unido, o número 1 e número 2 da Scotland Yard demitiram-se por terem alegadamente protegido o Grupo News International e não darem o devido seguimento ao caso das escutas ilegais.

Por cá sabe-se que o caso Freeport foi cozinhado numa santa aliança entre media, políticos e agentes da PJ, mas como país de brandos costumes que somos, tudo ficou como se nada fosse. Relembremos, pois, uma das poucas notícias que na altura foram publicadas sobre o assunto

 

Caso Freeport Empresario levou Miguel Almeida PSD a jantar com inspectora da PJ

2007-06-01

lusa

Lisboa, 01 Jun (Lusa) - O empresário Armando Jorge Carneiro revelou hoje em tribunal que, em 2005 e antes das legislativas, levou Miguel Almeida, ex-chefe de gabinete de Santana Lopes, a jantar com uma inspectora da PJ que acompanhava o "caso Freeport". 

Esta testemunha falava durante o julgamento, em Lisboa, em que o ex-inspector da PJ de Setúbal José Torrão e os jornalistas Inês Serra Lopes e Francisco Teixeira, do extinto semanário "O Independente", são acusados de violação do segredo de justiça na sequência de notícias, publicadas em Fevereiro de 2005, sobre investigações ao "caso Freeport", que alegadamente envolviam o então líder do PS e actual-primeiro-ministro José Sócrates. 

O caso Freeport, relacionado com o licenciamento desta obra em Alcochete quando o titular da pasta do Ambiente era José Sócrates, mereceu destaque nos media em Fevereiro de 2005, em plena campanha para as eleições legislativas, depois de terem sido noticiadas buscas da PJ e avançadas informações de que Sócrates estava a ser investigado, o que foi depois desmentido pela Direccão da PJ. 

O ex-presidente do Conselho de Administração da revista "Tempo" contou em tribunal que o primeiro contacto que teve com José Torrão, que também é acusado neste julgamento de violação de segredo de funcionário, ocorreu, em Janeiro de 2005, na sua casa na Aroeira, tendo o ora arguido sido-lhe apresentado pelo advogado Bello Dias.(...)

Autoria e outros dados (tags, etc)

por sitiocomvistasobreacidade às 12:35

A empresa luxemburguesa chamada BES

Sábado, 16.07.11

Os bancos portugueses passaram nos testes de stress realizados à banca europeia. Parabéns!

Mas para mim o dado mais interessante é mesmo este:

A administração do Banco Espírito Santo (BES) decidiu aplicar os mesmos critérios ao próprio BES, uma vez que os testes europeus foram aplicados à holding do grupo no Luxemburgo

 

Os testes foram feitos a uma holding do grupo no Luxemburgo? E essa holding paga onde paga impostos? Quanto paga de impostos? Certo é que Portugal fica a ver navios em matéria fiscal.

E depois admiram-se que o sistema esteja a rebentar? 

O que me indigna e repugna é que pretendam culpar o Estado Social, o Serviço Nacional de Saúde, ou as fraudes no rendimento mínimo para os problemas que se vão vivendo por essa Europa fora.

Mas a raíz do problema é esta: os ricos, os verdadeiramente ricos, não pagam impostos. É capitalismo, mas do selvagem, que se vive à escala global. E enquanto estas imoralidades não forem cortadas pela raíz, continuaremos alegres e felizes de crise em crise, depenando classes médias e baixas, protegendo meia dúzia.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por sitiocomvistasobreacidade às 09:30

Ricardo Araújo Pereira na Visão

Quinta-feira, 14.07.11

Excerto da crónica de hoje de RAP na Visão:

"...Já os economistas, uns dizem uma coisa e outros dizem o contrário. E alguns dizem uma coisa e o seu contrário, como Cavaco Silva.

Numa célebre sexta-feira, a agência de notação financeira (peço ao leitor que faça como eu e finja que sabe exatamente o que é uma agência de notação financeira) Moody's atribuiu a nota mais alta possível ao banco Lehman Brothers. Nesse fim de semana, o banco faliu. Mesmo assim, Cavaco Silva continuou a apreciar o trabalho das agências de notação. Quando, na semana passada, a Moody's disse que Portugal era lixo, Cavaco deixou de ser fã(...)".

Autoria e outros dados (tags, etc)

por sitiocomvistasobreacidade às 18:35

Colossal contradição

Quarta-feira, 13.07.11

Há dias, o Governo esperneava contra as agências de rating, porque não havia qualquer razão que justificasse uma descida no rating. Ontem Passos veio falar de desvio colossal nas contas públicas.

Então em que ficamos?

Ficamos com a certeza que Passos está a enganar alguém. Ou está a enganar os parceiros europeus e "os mercados" (aqui faço uma vénia tal é o respeitinho que tenho por estes seres), porque afinal há dados novos que justificam uma reavaliação da capacidade de Portugal em pagar o que deve; ou está a enganar os portugueses, porque quer justificar medidas futuras ou falhanços futuros com mentiras sobre o passado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por sitiocomvistasobreacidade às 19:31








Comentários recentes

  • Joao Saturnino

    Parabéns pelo seu blog, especialmente por este "in...

  • Frango Zappa

    Quanto custa o Mario?

  • E os Homens da Luta, por onde anda essa gente? E a...

  • cheia

    Tantos erros, e nem um culpado!

  • MCN

    O problema é a raqzão porque Afonso Camões não diz...



subscrever feeds



Pág. 1/2