Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Até hoje, dia 8 janeiro 2014, como Presidente República, Primeiro Ministro e Ministro das Finanças, Cavaco Silva está no poder há 6908 dias (18 anos e 339 dias). .

Agora temos, ao menos, este auxílio: Um relógio com a contagem decrescente para a libertação final!!

Agradecemos ao CDS-PP ter dado a ideia do relógio com contagem decrescente!

Este contador assume que o mandato de Cavaco terminará a 29 de Fevereiro de 2016 (para nosso azar, 2016 é ano bissexto)


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

 



Livros recomendados Amazon.co.uk (kindle edition)


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D





Faz hoje dois anos

Sábado, 23.03.13

O momento em que as "esquerdas" se aliaram à direita para derrubar o governo socialista ficou registado para a história.

O que se passou a seguir sabemos nós hoje. Este voto permitiu a ascenção ao poder de Coelhos, Gaspares, Relvas, mas também dos Borges ou Catrogas. E foi também com este voto que a chegada da Troika se tornou irreversível.

Sabemos também que o povo pagou com dor esta jogada de taticismo político das "esquerdas" e que tão bem aproveitada foi pela Direita para chegar ao poder e orquestrar o maior ataque às classes desfavorecidas e à classe média que já alguma vez havia sido feito em Portugal desde o 25 de abril.

23 de março de 2011. Um dia triste para Portugal, mas que já mais esquecerei, especialmente nos dias em que tiver de ir votar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por sitiocomvistasobreacidade às 08:45

De fonte segura

Quinta-feira, 21.03.13

...pelo menos, assim me foi vendido. Sai Gaspar, entra Paulo Macedo para as Finanças. Remodelação no início da Abril.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por sitiocomvistasobreacidade às 21:58

Ana Gomes na Antena 1

Terça-feira, 19.03.13

Recomendo a crónica de Ana Gomes hoje na Antena 1

Algumas ideias-chave:

A queda de um paraíso fiscal chamado Chipre.

O ruir de um compromisso de Merkel, Barroso e Rehn em garantir os depósitos abaixo dos €100.000

A proposta da criação de uma moeda única para países do sul da Europa (gosto desta proposta)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por sitiocomvistasobreacidade às 16:47

"Esperam-vos 15 anos de estagnação se não houver perdão de dívida"

Domingo, 17.03.13

A frase que dá título a este post é de Kenneth Rogoff e foi proferida em entrevista ao Expresso desta semana. Rogoff é Prof. da Universidade de Havard e co-autor de This Time Is Different: Eight Centuries of Financial Folly (uma obra que analisa crises financeiras globais e bancarrotas desde o século XIV).

Um excerto da entrevista:

"Expresso:

- Mas essa é a pedra basilar da mensagem política que é dada por Bruxelas- que o que se fez, em condições limite, com a Grécia é uma exceção a não repetir.

Rogoff:

-A UE seria louca se chutasse a Grécia para fora. Tornar-se-ia vulnerável. Por isso atuou. Mas o que eu acho é que são muito prováveis mais restruturações de dívida - não necessariamente transparentes

- E: O que entende por restruturações não transparentes?

- R: Juros mais baixos é uma forma de reestruturação. Garantias implícitas dadas pelo BCE também são. Um conjunto de políticas designadas por repressão financeira à escala da zona euro, também."

 

Fico totalmente convencido sobre a inevitabilidade de uma restruturação. E gosto desta sugestão de se baixarem os juros. Reeembolsava-se o capital, mas não os juros.

Para além de ser uma questão de sobrevivência coletiva, é também uma questão de justiça: não pagar os juros usurários que nos cobram há 3 ou 4 anos a esta parte é justíssimo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por sitiocomvistasobreacidade às 21:58

Tragédia em números

Sexta-feira, 15.03.13

Desemprego previsto no orçamento de Estado era de 16,4%, mas afinal será 18,2% no final deste ano.

O PIB previa-se que decrescesse 1% em 2013, afinal cairá 2,3%.

As políticas criminosas deste Governo e da Troika deviam ser julgadas.

 

 

 

Falaremos sobre o descalabro no défice num post seguinte.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por sitiocomvistasobreacidade às 10:32

Leitura que não quero perder

Quinta-feira, 14.03.13

Diz-nos a wikipedia que Horacio Verbitsky é um jornalista de investigação argentino. Entre a sua obra, encontra-se El silencio

 

A Amazon apresenta a seguinte sinopse de El silencio:


Cuando la Comision Interamericana de Derechos Humanos visito la ESMA en 1979 no encontro ni rastro de los prisioneros. Con la ayuda de la Iglesia, la Armada los habia escondido en la isla El silencio, el lugar habitual de recreo del cardenal arzobispo de Buenos Aires. No se conoce otro caso en el mundo de un campo de concentracion en una propiedad eclesiastica. Las relaciones secretas que este libro revela despues de casi tres decadas de silencio incluyen la seduccion que el almirante Massera ejercia sobre el papa Paulo VI, el doble juego del ahora cardenal primado Jorge Bergoglio, la colaboracion del nuncio Pio Laghi y del secretario del vicariato castrense Emilio Graselli con el programa de reeducacion de prisioneros de la ESMA. Con la prosa apasionante de un thriller, Horacio Verbitsky describe la fascinacion del mal sobre una institucion cuya finalidad declarada es hacer el bien.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por sitiocomvistasobreacidade às 09:45

O novo Papa: Uma lança na América Latina

Quarta-feira, 13.03.13

Cardeal Jorge Mario Bergoglio

 

Aqui apresentei o meu palpite, falhei no nome, mas julgo que não me equivoquei nas razões da escolha.

Kishner na Argentina, Dilma no Brasil, Morales na Bolívia, Mujica no Uruguai, Maduro na Venezuela, protagonizam movimentos políticos progressistas na America Latina, que têm sido bem sucedidos na mitigação das diferenças sociais e que retiraram milhões da pobreza.

O continente com mais católicos vive assim uma profunda convulsão social e política, que tem escapado ao controlo de uma classe dominante. É neste contexto, que Bergoglio chega a Papa Francisco.

Giles Tremlett, reporter do The Guardian, adjetiva Bergoglio como um conservador que fez manchetes em 2009 ao criticar publicamente o Governo de esquerda de Ernesto Kirchner, marido da atual Presidente da Argentina.

Os atuais líderes da América Latina terão pois no Papa Francisco um adversário político.

Se o polaco Karol Wojtyła foi eleito Papa para acabar com o comunismo, Bergoglio foi eleito para colocar a América Latina nos carris.

A história repete-se.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por sitiocomvistasobreacidade às 19:48

Um palpite

Segunda-feira, 11.03.13

 

Tenho um palpite: Odilo Sherer, 63 anos, filho de imigrantes alemães radicados no Rio Grande do Sul, Arcebispo de São Paulo desde 2007 será o futuro Papa.

Explicarei o racional deste palpite quando forem conhecidos os resultados do Conclave.

Para já, fica uma entrevista de Sherer em Abril de 2012. Aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por sitiocomvistasobreacidade às 22:58

A campanha para as Presidenciais começou

Sábado, 09.03.13

Barroso, Blair, Bush e Aznar a declararem guerra ao Iraque, nos Açores, em 2003

 

Dois dias depois de Krugman, num artigo a que deu o nome de "Bushização do Berlaymont", ter comparado a Comissão Europeia de Durão Barroso a George Bush, pela forma como a Comissão defende o indefensável, que faz lembrar, na opinião de Krugman, a forma como Bush defendia a guerra no Iraque, o Expresso deu hoje início à campanha para as presidenciais de 2016.

 

Conhecendo o Expresso como conheço, não tenho dúvidas em apontar quais os objetivos deste semanário, propriedade do militante n.º 1 do PSD. Fazer eleger Durão vai ser uma tarefa dura, mas aqueles que se intrometerem poderão esperar artilharia pesada, como já aconteceu no passado na eleição de Cavaco.

Se queria fazer referências a Durão, é extraordinário que depois de 4 anos e meio a engolir sucessivas malfeitorias que nos são impostas pela Comissão, o Expresso nunca se tenha lembrado de escrever títulos como este:

"Durão de braços cruzados perante as agências de rating";

"Durão exige cortes nos subsídios de férias e Natal";

"Durão quer cortes na educação e saúde";

"Durão neglegencia efeitos da austeridade ";

"Durão menos flexível que Lagarde".

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por sitiocomvistasobreacidade às 12:27

As baratas e a Comissão Europeia (tradução artigo de Krugman)

Quinta-feira, 07.03.13

 

Rehn, Comissário Europeu, à direita na foto

 

 

Traduzo o artigo de Krugman, cujo humor tem sido mal recebido na cinzenta Comissão Europeia, como aqui descreve o Jornal de Negócios.

 

"As Baratas e a Comissão Europeia:

Escrevi por diversas vezes sobre as ideias do tipo “baratas” na economia – ideias que tentas atirar pelo cano abaixo, mas que continuam sempre a aparecer de novo (Serão as ideias tipo “baratas” o mesmo que ideias zombie? Não exatamente, diria eu; Eu considero as ideias tipo “baratas” como conceções erradas que perduram no tempo, porque as pessoas que as defendem apenas desconhecem factos básicos, enquanto as ideias zombie são defendidas por pessoas que se recusam a considerar todas as evidências contrárias).

De qualquer forma, Ambrose Evans-Pritchard apanha Olli Rehn com uma barata:

«Sendo certo que o tom está a mudar, não há sinal do abandono do apertão do cinto fiscal. “Como a dívida pública media ultrapassa os 90 pontos percentuais na União Europeia, não creio que haja espaço de manobra para que se abandone o caminho da consolidação orçamental”, disse Olli Rehn, Comissário Europeu para os assuntos económicos.

Disse ainda: “Não resolveremos o nosso problema de crescimento, acumulando novas dívidas em cima das antigas”. Ao refutar os seus críticos, Rehn disse que John Maynard Keynes não seria também ele um Keynesiano nas atuais circunstâncias».

Ah claro, o velho argumento: “Quando o Keynes escreveu em 1930s, os governos não estavam tão endividados como hoje”. Já vimos este filme:

 

O extraordinário é que homens que nada sabem sobre teoria ou história de crises precedentes estão convencidos que sabem o que fazer na crise atual; e estão confiantes que as suas receitas não são afetadas pelo facto de tudo ter saído furado até agora. E claro, ainda mais extraordinário é o facto de esses homens ainda estarem ao comandando das operações".

Krugman, 4 de Março de 2013

Autoria e outros dados (tags, etc)

por sitiocomvistasobreacidade às 10:18








Comentários recentes

  • Joao Saturnino

    Parabéns pelo seu blog, especialmente por este "in...

  • Frango Zappa

    Quanto custa o Mario?

  • E os Homens da Luta, por onde anda essa gente? E a...

  • cheia

    Tantos erros, e nem um culpado!

  • MCN

    O problema é a raqzão porque Afonso Camões não diz...



subscrever feeds



Pág. 1/2