Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Até hoje, dia 8 janeiro 2014, como Presidente República, Primeiro Ministro e Ministro das Finanças, Cavaco Silva está no poder há 6908 dias (18 anos e 339 dias). .

Agora temos, ao menos, este auxílio: Um relógio com a contagem decrescente para a libertação final!!

Agradecemos ao CDS-PP ter dado a ideia do relógio com contagem decrescente!

Este contador assume que o mandato de Cavaco terminará a 29 de Fevereiro de 2016 (para nosso azar, 2016 é ano bissexto)


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

 



Livros recomendados Amazon.co.uk (kindle edition)


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D





O dilema de Passos Coelho com a Grécia

Quarta-feira, 08.07.15

 

Untitled.jpgFinantial Times, 23 de junho de 2015

 

O Finantial Times já avisou: Se Grécia cair, Portugal será o próximo.

E é aqui que reside o dilema de Passos Coelho. Ele sabe que tem duas hipóteses:

1) Ou salva a narrativa dele, dizendo que não há alternativa à austeridade e mantendo-se, assim, inflexível nas negociações com a Grécia, mesmo sabendo que o falhanço das negociações poderá ter elevados custos para Portugal;

2) Ou, pelo contrário, dá o braço a torcer, e aceita que a Grécia obtenha alguns ganhos nestas negociações. Neste caso, a sua narrativa ficaria totalmente descredibilizada, mas Portugal ficaria numa situação mais tranquila...

Temo que mais uma vez Passos Coelho escolha salvar a sua pele, "lixando" com isso o país. Ainda ontem, António Vitorino, na Sic Notícias, nos disse que no Eurogrupo, apenas Itália e França tinham mostrado maior abertura para avançar nas negociações. Todos os outros, com Portugal incluído, naturalmente, se mantiveram absolutamente inflexíveis para negociar.

O artigo no Finantial Times pode ser lido aqui:

http://www.ft.com/cms/s/0/1b9a8016-199a-11e5-a130-2e7db721f996.html

e a referência ao mesmo no site da Rádio Renascença:

http://rr.sapo.pt/informacao_detalhe.aspx?did=191345#st

Autoria e outros dados (tags, etc)

por sitiocomvistasobreacidade às 10:32

Leitura obrigatória!: "Os múltiplos desastres económicos na Europa" (Portugal incluído) - Paul Krugman

Sexta-feira, 03.07.15

12_Krugman38__01__630x420.jpg

 

O artigo de hoje de Paul Krugman, sobre o estado miserável em que a Europa se encontra, deve (tem de) ser lido e relido e estudado na integra aqui.

Mas traduzo uns parágrafos que me parecem ser fundamentais para perceber o que se está a passar na Europa e sobre a importância do Referendo de Domingo na Grécia:

"Portugal também implementou obedientemente severa austeridade - E está 6% mais pobre do que era!"

(...)

"E é por isso que o que está em jogo no referendo de Domingo é mais importante do que a maior parte dos observadores se apercebem.

Um dos grande riscos, caso os gregos votem SIM - ou seja, votem para aceitar as exigências dos credores, e assim repudiarem a posição do Governo, deitando-o provavelmente abaixo - é que tal voto irá dar mais poder e encorajará os arquitetos do falhanço Europeu. Os credores irão demonstrar a sua força, a sua capacidade para humilhar qualquer um que desafie o seu poder. E irão continuar a impor que o desemprego massivo é a única ação responsável a adotar.

E se a Grécia votar NÃO? Isso será assustador, território desconhecido. A Grécia provavelmente sairá do EURO, será altamente disruptivo no curto prazo. Mas dará à Grécia uma hipótese real para recuperar. E servirá de choque para as complacentes elites Europeias.

Para pôr a questão de uma forma ligeiramente diferente, é razoável termos medo das consequências do voto "NÃO", porque ninguém saberia o que virá a seguir. Mas deverão ainda ficar mais assustados com a vitória do "SIM", porque aí saberíamos o que vem a seguir - mais austeridade, mais desastres e eventualmente uma crise pior do que aquela que vimos até hoje"

 

Para ler tudo aqui (em ingês):
http://www.nytimes.com/2015/07/03/opinion/paul-krugman-europes-many-disasters.html?_r=0

Autoria e outros dados (tags, etc)

por sitiocomvistasobreacidade às 11:40

Privatizações da EDP e REN. "Num país sério, o Governo demitia-se" - Pacheco Pereira

Sexta-feira, 03.07.15

O relatório do Tribunal de Contas sobre a EDP e REN, foi arrasador para o Governo e, consequentemente, foi quase ignorado na imprensa.

Entre outros factos, o relatório refere que "a participação de 21% na EDP vendida por 2,2 mil milhões de euros rendeu ao Estado, em 2012, 144 milhões de euros em dividendos. Se se tivesse mantido, a longo prazo, mesmo tendo em conta os custos da dívida pública, esta participação tinha um potencial de rendimento, uma "renda perpétua", na ordem dos 3,8 mil milhões de euros. Numa "ótica financeira", com esta venda da EDP, a "perda de valor para o Estado ascendeu a cerca de 1,6 mil milhões de euros".

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por sitiocomvistasobreacidade às 09:54

Varoufakis: "Prefiro cortar o braço a assinar um acordo sem restruturação da dívida”

Quinta-feira, 02.07.15

 Em vez de se dar ouvidos a comentadores tendenciosos, o melhor é ouvir a entrevista de hoje do Ministro das Finanças da Grécia à Bloomberg TV.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por sitiocomvistasobreacidade às 16:32

Na corrida ao Novo Banco é a chinesa Anbang quem dá mais

Quinta-feira, 02.07.15

deng-xiaoping_1858283b.jpgDeng Xiaoping, líder político da República Popular da China entre 1978 e 1992. É o criador do chamado socialismo de mercado

 

E a venda de anéis e dedos continua airosa...

"À frente da Anbang está Wu Xiaohui, um empresário conhecido pelas suas relações com o poder. Wu já foi casado com a neta de Deng Xiaoping, o reverenciado líder comunista chinês".

Autoria e outros dados (tags, etc)

por sitiocomvistasobreacidade às 10:59








Comentários recentes

  • Joao Saturnino

    Parabéns pelo seu blog, especialmente por este "in...

  • Frango Zappa

    Quanto custa o Mario?

  • E os Homens da Luta, por onde anda essa gente? E a...

  • cheia

    Tantos erros, e nem um culpado!

  • MCN

    O problema é a raqzão porque Afonso Camões não diz...



subscrever feeds