Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Até hoje, dia 8 janeiro 2014, como Presidente República, Primeiro Ministro e Ministro das Finanças, Cavaco Silva está no poder há 6908 dias (18 anos e 339 dias). .

Agora temos, ao menos, este auxílio: Um relógio com a contagem decrescente para a libertação final!!

Agradecemos ao CDS-PP ter dado a ideia do relógio com contagem decrescente!

Este contador assume que o mandato de Cavaco terminará a 29 de Fevereiro de 2016 (para nosso azar, 2016 é ano bissexto)


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

 



Livros recomendados Amazon.co.uk (kindle edition)


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D





FMI não é um papão, é um Borges.

Quinta-feira, 17.03.11

 

 António Borges, director do Departamento Europeu do FMI

 

O caro leitor poderá estranhar a leveza com que diversos dirigentes da direita portuguesa, especialmente do PSD, tratam a eventual intervenção do FMI em Portugal.  

É estranho, de facto, atendendo às medidas bastante radicais aplicadas por esta instituição, normalmente inspiradas por preconceitos ideológicos liberais como aqui se deu conta.

Mas se nos relembrarmos que António Borges, um barão do PSD, é actualmente o Director do Departamento Europeu do FMI, podemos talvez descortinar o motivo de o FMI ser visto até com alguma simpatia pelas hostes laranjas.

A intervenção do FMI daria a possibilidade a António Borges de ser um Governante deste país, ainda que de forma indirecta. Algumas das ideias que defende, e que nunca teve a coragem de levar a votos, como a privatização da CGD, ou da Segurança Social, poderiam ser aplicadas com a maior desfaçatez e com total impunidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por sitiocomvistasobreacidade às 20:13








Comentários recentes

  • Joao Saturnino

    Parabéns pelo seu blog, especialmente por este "in...

  • Frango Zappa

    Quanto custa o Mario?

  • E os Homens da Luta, por onde anda essa gente? E a...

  • cheia

    Tantos erros, e nem um culpado!

  • MCN

    O problema é a raqzão porque Afonso Camões não diz...