Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

 



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D


Os PIDES do SEC. XXI

Terça-feira, 18.08.09

Durante décadas, em Portugal, a direita eliminava adversários políticos através da PIDE, que vigiava, perseguia, prendia, torturava, matava, quem se atrevesse a ser incómodo para o regime.

Um dia, fez-se uma revolução, que nos trouxe um Estado de Direito democrático, baseado na separacao de poderes. Com ela acreditámos que as eleicoes passariam a ser livres e justas e que os nossos representantes passariam a ser escolhidos com base nos seus méritos, com base no que fizeram ou deixaram de fazer pelo país.
Acreditámos, igualmente, que a surgir um caso tão grave como o que é descrito hoje pelo Público, a Presidência da República, a quem compete assegurar o regular funcionamento das instituições da República, remeteria as suspeitas para a Procuradoria-Geral da República, a quem competiria investigar.
Mas passados 34 anos, muitas das coisas em que se acreditou, correm perigo. O 4º poder, a comunicação social, lança suspeitas, descredibiliza instituições democraticamente eleitas, comete assassínios de carácter, chama pedófilos a políticos, sem piedade e sem provas.
Vemos disto praticamente todos os dias, nos jornais, Internet, rádios e televisões.
Lançando a lama e acusações gratuitas, a comunicação social, como já referi anteriormente (ver aqui), molda a consciência das pessoas e, em última análise, determina o sentido do voto das pessoas.
É desta forma que são, nos dias que correm, perseguidos os adversários políticos. Em vez do Tarrafal, usam-se as primeiras páginas de Público, SOL ou a boca de Manuela Moura Guedes no Jornal Nacional.
À direita (que perdeu definitivamente a esperança de ganhar eleições pelo seu mérito) resta a nova PIDE.
Agora, o que vemos de novo, é o órgão máximo do Estado, a Presidência da República, a alimentar e cooperar (para não dizer organizar) com esta forma de fazer política.
O que pensar de assessores anónimos, ou fontes próximas, da Presidência da República, que em vez de apresentarem queixas ao Ministério Público, deixam sair frases bombásticas para fazer as delícias das manchetes dos jornais?
O que pensar do silêncio cúmplice de Cavaco?

Autoria e outros dados (tags, etc)

por sitiocomvistasobreacidade às 17:59





Comentários recentes

  • Joao Saturnino

    Parabéns pelo seu blog, especialmente por este "in...

  • Frango Zappa

    Quanto custa o Mario?

  • E os Homens da Luta, por onde anda essa gente? E a...

  • cheia

    Tantos erros, e nem um culpado!

  • MCN

    O problema é a raqzão porque Afonso Camões não diz...