Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

 



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D


Em defesa da Escola Pública.

Domingo, 11.03.12

Desde que o Ministro da Educação Nuno Crato veio dizer ao Parlamento que o programa de modernização das escolas tinha custado mais 400% do que o previsto, que se ficou com a impressão de estar perante mais um ataque político ao anterior Governo e à escola pública, do que propriamente uma análise objetiva sobre a situação.

Naquele ataque feroz de Nuno Crato, ressalta um atitude mal disfarçada de preconceito social: apenas os filhos de ricos têm direito ao melhor

Os esclarecimentos da Parque Escolar e a forma como a comunicação social tem replicado as conclusões de uma suposta auditoria independente àquela empresa agudizaram as suspeitas: Não se está perante uma defesa dos dinheiros públicos, estamos perante um ataque à escola pública.

Importa, pois, vir em defesa da escola pública.

Assinale-se que segundo a empresa Parque Escolar "O valor médio dos custos de construção por escola, no final de 2011, era de 12,1 milhões de euros, correspondentes a um custo unitário médio de construção de 815 € / m2".

Será que €815/m2 (em grande medida pagos com fundos comunitários) pode ser considerado um custo muito elevado para garantir que os nossos estudantes, de todas as classes sociais, possam aprender em edíficios que não estejam a cair de podre? Será que é demais dar a possibilidade aos estudantes, de todas as classes sociais, de terem acesso a bibliotecas e laboratórios equipados?

O "Sítio com vista sobre a cidade" julga que não. Julga que os 12,1 milhões de Euros (o equivalente ao que a Lusoponte cobra em 3 meses de portagens na 25 de Abril) gastos por escola são um valor aceitável face à revolução a que as nossas escolas públicas assistiram, e cujo benefício se fará sentir por largas décadas.

Agradece-se, pois, a todos os responsáveis políticos que tomaram a decisão de avançar com este programa, enfrentando os interesses do ensino privado e a oposição de toda uma classe dominante e endinheirada, que não está para ver que os seus impostos são usados para melhorar a escola dos filhos dos outros (fazendo que esta seja tão boa ou melhor que os colégios privados).

Escola Secundária Camilo Castelo Branco, Vila Nova de Famalicão

 

Escola Secundária da Maia

 

Escola Secundária D. Sancho II, Elvas

 

Escola Secundária Domingos Sequeira - Leiria.

 

Escola Secundaria Vergílio Ferreira, Lisboa

 

Escola Secundária da Lousada

 

Escola Secundária do Cartaxo

 


 Escola Secundária João Gonçalves Zarco, Matosinhos

Autoria e outros dados (tags, etc)

por sitiocomvistasobreacidade às 18:13





Comentários recentes

  • Joao Saturnino

    Parabéns pelo seu blog, especialmente por este "in...

  • Frango Zappa

    Quanto custa o Mario?

  • E os Homens da Luta, por onde anda essa gente? E a...

  • cheia

    Tantos erros, e nem um culpado!

  • MCN

    O problema é a raqzão porque Afonso Camões não diz...


subscrever feeds