Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Até hoje, dia 8 janeiro 2014, como Presidente República, Primeiro Ministro e Ministro das Finanças, Cavaco Silva está no poder há 6908 dias (18 anos e 339 dias). .

Agora temos, ao menos, este auxílio: Um relógio com a contagem decrescente para a libertação final!!

Agradecemos ao CDS-PP ter dado a ideia do relógio com contagem decrescente!

Este contador assume que o mandato de Cavaco terminará a 29 de Fevereiro de 2016 (para nosso azar, 2016 é ano bissexto)


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

 



Livros recomendados Amazon.co.uk (kindle edition)


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D




7 ideias para a Social Democracia no séc. XXI

Sexta-feira, 26.08.11

Nestes tempos conturbados e frenéticos, o tempo para reflectir é por vezes escasso. Procurei pois algum vagar para elaborar sobre um tema sobre o qual me questiono com frequência: o que deverá ser a Social Democracia no séc. XXI?

A Social Democracia nas sociedades ditas ocidentais tem andado fora de moda. Uma economia de casino, como diz Mário Soares, tem-se imposto, com os resultados que estão à vista.

É urgente o renascimento de uma verdadeira Social Democracia, sem cedências a doutrinas liberais, como as que foram protagonizadas, por exemplo, pelo Partido Trabalhista de Tony Blair.

Descrevo 7 ideias para esta Social Democracia, que respeitam às seguintes àreas:

Remato com algumas conclusões.

 

Nesta reflexão, incluo algumas posições concretas que um político Social Democrata deve assumir, nomeadamente:

  • Rejeitar os conflitos armados, sendo a legítima defesa, e a defesa de países terceiros, caso haja mandato do Conselho de Segurança da ONU, os únicos casos que poderão justificar uma intervenção armada (ver fundamento “A Guerra e a Paz”);
  • Combater conflitos de interesses para aqueles que cuidam da coisa pública, fazendo propostas legislativas que visem a sua mitigação, nomeadamente a proibição dos deputados exercerem actividades privadas, como a advocacia (ver fundamento “A Ética”);
  • Criar condições para a redução das assimetrias sociais, sendo os impostos a arma fundamental para a redistribuição do rendimento. Neste particular, é imperioso o fim dos paraísos fiscais (ver fundamento “As Desigualdades Sociais”);
  • Manter um Sector Empresarial do Estado forte, tendo consciência que, no caso de Portugal, já se foi longe de mais nas privatizações, o que priva o Estado de instrumentos de actuação em áreas estratégicas, como o Sector Energético (ver fundamento “Sector Empresarial do Estado”);
  • Os modelos de educação e de saúde em Portugal, baseados na acção do Estado, são casos de sucesso. Modelos privados são aceitáveis e bem-vindos, desde que funcionem sem subvenções do Estado (ver fundamento “A Educação e Saúde);
  • Ter presente que a necessidade de reforma constante da intervenção do Estado é fundamental não apenas para assegurar a sua sustentabilidade, mas também para que melhor se cuide dos interesses da comunidade, a título de exemplo, o aumento da idade da reforma é uma medida que deve ser tomada sem reservas, traduzindo o aumento da esperança média de vida (ver fundamento “O reformismo”);
  • Manter as preocupações e sustentabilidade ambientais no centro da actividade de um Governo Social Democrata (ver fundamento “O Ambiente”);
  • Empenhar esforços no sentido de inverter a situação actual, submetendo o poder económico ao poder político. A actual crise revela o poder político subjugado ao poder económico, nomeadamente, face aos ditos “mercados” e agências de rating. Por outro lado, a democracia está condicionada pelo poder dos media privados, o que é uma ameaça à própria democracia. É necessário mudar esta situação, nomeadamente com políticas de ampla restrição de concentração dos media (ver fundamento “O Poder económico sujeitado ao poder político”).

Autoria e outros dados (tags, etc)

por sitiocomvistasobreacidade às 20:05

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.









Comentários recentes

  • Joao Saturnino

    Parabéns pelo seu blog, especialmente por este "in...

  • Frango Zappa

    Quanto custa o Mario?

  • E os Homens da Luta, por onde anda essa gente? E a...

  • cheia

    Tantos erros, e nem um culpado!

  • MCN

    O problema é a raqzão porque Afonso Camões não diz...



subscrever feeds